Moradores protestam contra permuta de terreno do Sítio Cercado


Na noite desta terça-feira, 20, os moradores do Sítio Cercado se reuniram em um ato em defesa de um terreno público de 4 mil metros quadrados localizado entre as ruas Lupionópolis e Nova Esperança, espaço onde funcionava um posto-escola de abastecimento de combustível e hoje se encontra sem utilização.

O protesto ocorreu por conta do projeto do prefeito enviado à Câmara Municipal que solicita a aprovação de permuta deste terreno por outros três de menor área no Atuba. A reivindicação da população é pela possibilidade de inclusão de um novo equipamento público neste espaço em razão de sua dimensão, sendo um dos últimos no bairro nessas características.

"Tenho lutado na Câmara para que esse projeto seja arquivado por entender a necessidade de se manter este terreno no bairro. Ali poderia ser construída uma nova Unidade de Saúde para suprir a demanda de atendimento que já está além da capacidade nas unidades mais próximas, ou até abrigar um novo centro esportivo ou o centro cultural, projeto que os moradores esperam há mais de vinte anos", declarou o vereador Marcos Vieira que também participou do ato.

A justificativa para a permuta do terreno é, segundo a prefeitura, para finalização das obras da linha verde norte, além do recebimento de uma quantia em dinheiro pela diferença de valores da troca, que deverá ser aplicada nas obras.

"Não somos contra as obras, pelo contrário, sabemos que é uma grande necessidade. Porém, não podemos resolver um problema causando outro. Futuramente, quando for o momento de construir um novo equipamento público no bairro, não haverá mais um terreno, sendo necessário um gasto maior adquirindo um novo. Não podemos pensar apenas em curto prazo", concluiu Marcos.

O projeto está em análise nas comissões da Câmara e, em breve, deverá ser votado no plenário.

#Notícia

11 visualizações0 comentário